sábado, 27 de outubro de 2018

Por dentro de um chuveiro elétrico Lorenzetti Advanced eletrônico

Ducha Advanced Eletrônica
foto: Divulgação
Bom pessoal, vamos a mais um post no formato original do blog. Não estou conseguindo falar muito bem (acertando a mordida com uma placa atrás dos dentes) então não tem vídeo novo por enquanto.

Na casa lá em MG usávamos deste chuveiro elétrico (Lorenzetti Advanced Eletrônico) nos banheiros e não apresentavam problemas. Não precisamos trocar a resistência de nenhum deles (2) em nenhuma ocasião em dois anos e pouco. Já aqui em SP ele queima a resistência constantemente, ficando sempre um lado funcionando. Deve ser alguma coisa com os encanamentos, pressão da água ou outra coisa que ainda não identifiquei. Depois de um tempo acabou que um dos chuveiros foi pro saco e aproveitei pra tirar umas fotos e levantar o esquema.

Começamos por uma foto de onde vai conectada a resistência. Os conectores estão bem desgastados. O fio verde fora de foco é o fio terra:

Ducha Advanced Eletrônica

A parte mecânica é bem parecida com um chuveiro comum (não eletrônico): passa a água ele fecha os contatos:
Ducha Advanced Eletrônica

Dentro tem uma plaquinha bem simples:
Ducha Advanced Eletrônica

E nada de surpreendente aqui, só um clássico circuito de dimmer:
Ducha Advanced Eletrônica

Aquela placa de metal com pasta térmica com formato de um involucro TO-3 é o dissipador do TRIAC. Ela tem uma borracha em volta para vedar, e a água passa do outro lado (dimmer refrigerado a água, muito chique). O potenciômetro de controle de temperatura fica embaixo, perto dos contatos:

Ducha Advanced Eletrônica
Na posição minima aquela peça plástica amarelada sobe os contatos desligando tudo. O esquema era pra ter ficado melhor. Na verdade eu até fiz um melhor que esse, mas joguei fora e já fechei o chuveiro. Refiz o esquema a partir de uma foto que postei no Facebook em Agosto:

Esquema chuveiro eletrônico

O bom de ter um blog que ninguém lê é que não vão reclamar do esquema mal desenhado. Mas taí o esquema: um dimmer clássico. No original eu havia anotado o valor do Triac, mas perdi essa informação. As chaves são dos contatos que fecham quando passa água. O terra é só um fio que vai direto em contato com a água. Pelo menos a tensão sobre o potenciômetro tem limitação pelos dois zeners em contrafase. 

A resistência deste chuveiro não é blindada e não é redonda como nos chuveiros comuns:

Ducha Advanced Eletrônica

6 comentários:

  1. Parabéns pelo esquema! mesmo q feito a mão as vezes nos salva a "vida"!

    ResponderExcluir
  2. Mas o que foi que houve com o chuveiro a ponto de ter que jogá-lo fora?

    ResponderExcluir
  3. Vim comentar que vc poderia ter melhorado o esquema elétrico pq tem gente sim lendo o blog. Ótimo trabalho!

    ResponderExcluir
  4. A corrosão prematura dos contatos pode ser causada pela composição química da água. Em relação ao resfriamento do TRIAC, é interessante, porque a energia dissipada no componente é transmitida a água, e se assim não fosse, um generoso dissipador deveria ser empregado, posto que o TRIAC maneja cerca de 15 ampéres, o que provoca uma dissipação de mais de 30W.

    ResponderExcluir
  5. Não sei se estou enganado, mas olhando seu diagrama da pra ver que Rst2 está sempre ligado enquanto somente o Rst1 esta sujeito ao TRIAC.

    Eu estava analisando o Lorenzetti Blinducha, que tem um diagrama muito similar, a grande diferença fica no uso de apenas uma resistor para aquecimento ao invés de dois no caso do chuveiro que apresentou.

    as diferenças: Não tem Rst2 (apenas Rst1), uma fase fica sempre ligada e a outra liga por um micro interruptor (MV31), a fase que fica sempre ligada passa por um termostato bi-metálico, o resistor de 22K fica entre a fase que tem o Rst1 antes de chegar no TRIAC, mas de resto é igual.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa derivação tem duas explicações: a primeira, é que eles não precisam fazer alterações nas resistências, que já vêm com essa segmentação para ocorrer a seleção de temperatura através da chave comutadora nas duchas "não-eletrônicas". E a outra acaba sendo uma conveniente consequência, que permite que o dimmer controle apenas uma parte da corrente, uma vez que uma outra parte circula permanentemente pelo outro ramo, e, assim, há uma potência mínima que não pode ser variada, apenas ligada ou desligada, conforme o fluxo da água.

      Excluir

1. Alguns comentários são moderados automaticamente. Caso isso ocorra pode levar algum tempo até que eu veja e o libere.
2. Comentários fora do assunto do post podem ser apagados.
3. Não, eu não posso consertar os seus aparelhos!