Após 23 anos resolvi finalmente montar a Madbox publicada na revista “Bê-á-bá da eletrônica” número 18 de 1984. Embora a revista seja de 1984 eu só fui ler esta edição (a primeira revista de eletrônica que eu li) em 1986.

MadboxNesta edição a “aula” era sobre 555 e a maior montagem de todas era a da Madbox, uma caixa de efeitos sonoros. Na época eu fiquei curioso em saber que sons ela poderia produzir. Foi daí que montei meu primeiro projetinho, o pisca-pisca do artigo sobre como fazer placas de circuito impresso. Para um garoto de 10 anos aquilo era um desafio e tanto. Tive que economizar pra comprar aquele 555 e deu muito trabalho fazer a placa, furar, montar e testar aquele pisca-pisca. A Madbox então seria algo impensável, uma montagem com dois CI’s não era algo pra minha habilidade...

Sempre que eu pegava essa revista relia a bendita matéria da Madbox. Com o tempo ela já não assustava mais. Na verdade cheguei a conclusão que não valia a pena montar algo tão simples e inútil.
Madbox montadaOntem enquanto fuçava nas velharias vi que meu velho “pront-o-labor” estava há muito tempo guardado e merecia um tratamento melhor. Estou me acostumando demais a apenas programar e fazer simulações. Então lá fui eu montar a Madbox. Modifiquei um pouco os valores dos componentes pra acomodar os valores de potenciômetros disponíveis aqui. Também retirei a etapa de saída com TIP31 do circuito original, pois me pareceu exagerada. Minha versão do circuito ficou assim:
Esquema da MadboxMontei tudo em menos de meia hora e funcionou de primeira. Realmente o professor Bêda Marques sabia das coisas. Um circuito simples e divertido embora ninguém consiga ficar com ele ligado por muito tempo. Muito bom pra irritar as pessoas, recomendo.

Madbox montadaEmbora o circuito seja bem simples o Proteus não consegue rodar a simulação de forma eficiente. Em meu computador ele levou a CPU a 100% de processamento (Pentium IV 3GHz) e mesmo assim não reproduziu o som de forma correta. Para os curiosos segue um vídeo de 1 minuto de barulho: