domingo, 24 de janeiro de 2010

E a Kodak C713 retornou a minha bancada...

4 comentários
Hoje faz exatamente um ano que postei sobre as câmeras digitas que sofreram com a areia de praia. E não é que a Kodak C713 que tive que abrir ano passado para limpar a areia retornou esta semana para uma nova checagem? E pior que eu avisei a dona para tomar mais cuidado ainda, pois eu não consertaria novamente.

Kodak C713 aberta
Infelizmente desta vez não consegui dar jeito. Embora ela tenha sido pouco exposta a areia o LCD começou a apresentar um brilho excessivo. Como sempre desmontei a câmera o mínimo possível para evitar estragar mais ainda. A quantidade de areia dentro do mecanismo desta vez era bem menor e a limpeza foi tranqüila. Mas depois de remontar tudo (que é a pior parte) o display continuou com problemas. Desmontei mais um pouco, limpei mais, remontei e nada.

Kodak C713 aberta
Pensei em desmontar tudo de novo e checar as soldas e, caso necessário, ressoldar alguma suspeita. Como isso poderia causar outro problema e conhecendo a dona da câmera pensei melhor não fuçar mais com isso. Afinal fora o display meio branco pelo excesso de brilho a câmera funciona normalmente. Outro motivo de não querer nem olhar pra essa câmera é o maldito capacitor do flash de 110uF x 330V que me deu uns três ou quatro choques nada agradáveis. Eu sempre me esqueço de descarregar essas coisas antes de fuçar nos aparelhos.

Capacitor da Camera Kodak C713

domingo, 17 de janeiro de 2010

Por dentro do Pense Bem da Tectoy

16 comentários
Atualizado em 07/01/2011: Veja no final do texto.

Sempre tive a curiosidade de saber o que tem dentro de um Pense Bem da Tectoy. Essa curiosidade vem desde o lançamento do brinquedo em 1988. Lembro das propagandas da época na TV e nos gibis mas nunca tive a oportunidade de desmontar o aparelho. Na verdade nem ao menos tinha visto um de perto até semana passada quando consegui comprar este aqui.

Pense Bem da Tectoy
O Pense Bem foi o segundo brinquedo lançado pela Tectoy (o primeiro foi a pistola Zillion) e foi eleito o brinquedo do ano de 1988. Ele vem com 8 jogos de matemática e dois de tons, sendo um deles parecido com o Genius da Estrela. O teclado possui 32 “teclas” de membrana incluindo as de ligar e desligar. O grande trunfo do brinquedo eram os livros que podiam ser comprados separadamente com jogos de perguntas e respostas. Para usar um livro bastava ligar o aparelho, apertar a tecla “Livro”, digitar o numero do livro e depois o grau dificuldade das perguntas. Como o numero do livro é composto por dois dígitos o sistema comportaria no máximo 99 livros diferentes (Fuçando no brinquedo descobri que o número máximo de livros possíveis é de 81 ou 162, preciso fazer mais testes para chegar a resposta correta, aguardem ). Infelizmente não encontrei uma lista de todos os livros lançados. Outra informação que não consegui encontrar é se o aparelho foi projetado no Brasil pela Tectoy ou era licenciado. Resumidamente podemos dizer que o Pense Bem é um ancestral destes notebooks infantis que vemos hoje nas lojas de brinquedos.

Parte de baixo do Pense Bem
O vendedor afirmou que não havia testado e provavelmente não funcionava mais e não tinha conserto. Isso não fazia muita diferença, pois eu só queria ver ele por dentro mesmo. Dei uma olhada nos parafusos e como não estava faltando nenhum e nem haviam marcas de desgastes provavelmente o aparelho nunca havia sido aberto. Como pode ser visto na foto acima o Pense Bem é alimentado por 6 pilhas médias (9 V). Há também um conector na parte traseira para ligar uma fonte externa de 9 V, 300 mA com positivo central. A caixa do brinquedo é muito bem feita e aguenta tranquilamente o uso “normal” por uma criança, algo que não se pode dizer dos brinquedos de hoje. Este aqui inclusive tem as marcas da tentativa de troca de cores das teclas feita provavelmente com lápis de cera.

Para minha decepção ao ligar o aparelho numa fonte externa tudo funcionou de primeira. Não faltou nada: teclado, som, display e programa, tudo normal. Assim não havia motivo algum para poder abrir o aparelho senão o de ver o que tem dentro (e documentar pra este post, claro). A base da caixa é fixada por seis parafusos e o teclado por meio de dois menores que não precisam ser retirados para abrir. O que encontramos após retirar a base é isso aqui:

Pense Bem da Tectoy aberto
Como podemos ver o teclado é um teclado de membrana comum, conectado a placa principal logo acima. O aparelho possui outra placa com os displays que ficam protegidos por um visor vermelho. Retirando os quatro parafusos que prendem a placa a caixa podemos ver o buzzer para o som e os displays:

Vista interna do Pense Bem
A parte de baixo da placa principal é assim:

Placa do Pense Bem - Lado da Solda
Ambas as placas são de face simples. A principal é de fenolite e a dos displays é de fibra. O display é feito com dois módulos separados, um com dois dígitos e um caracter alfa-numérico e outro com 4 dígitos de sete segmentos e um sinal de igualdade.

Placa do Display do Pense Bem
Olhando mais de perto a placa principal vemos que há apenas um chip da Zilog e 15 transistores. Os 8 transistores com aquela meleca (cola quente) perto do display servem para o sistema de multiplexação dos LED’s e são todos BC557 (PNP). Já os 7 restantes são BC338 (NPN) e servem para os circuitos de ativação do Buzzer, regulador de tensão (com o zener Z1 de 5.6V) e de liga-desliga pelo teclado de membrana.

Placa de circuito do Pense Bem
O coração do sistema é um chip de 28 pinos da Zilog marcado como Z0860008SC. Na mesma peça vem marcado Z8 (correspondente ao core) e 2k ROM (a capacidade de memória. Trata-se de um parente do famoso Z80 em versão MCU (série Z8). Zoom no CI:

Processador do Pense BemUPDATEAgora em vídeo:


Update 07/11/2011: Consegui um dos livros do Pense Bem (Thor, o guerreiro invencível) e a partir das informações de copyright descobri o fabricante e o nome originais do brinquedo. Lá fora o Pense Bem era chamado de Smart Start (depois virou uma linha de brinquedos com o mesmo nome) e era fabricado pela VTech (Video Technology Electronics LTd.). Encontrei um site com fotos da versão original e um anúncio antigo graças ao Googlebooks
Vtech Smart Start Ad

domingo, 10 de janeiro de 2010

O urso com música na barriga (ou: Como enfiar um MP4 player num urso de pelúcia)

1 comentários
Como já falei antes aquela pessoa que me proibiu de falar seu nome aqui no blog possuía um MP4 player Xing Ling que já deu pau uma vez. Pois então, aconteceu (e já era esperado) dele apresentar outro problema desta vez no teclado. Algumas teclas começaram a falhar e pararam de vez depois de um tempo. A dona do aparelho o trouxe aqui pra eu consertar novamente e ao abrir logo notei o flat cable quebradiço causando a falha nas teclas (isso parece ser muito comum). Tentei dar uma ajeitada nele mas acabou quebrando de vez e achei melhor substituir por outro.
Flat Cable quebrado
Flat cable do MP4

Como não tinha nada parecido com aquele cabo refiz as ligações com cabo paralelo comum retirado de um flat IDE. O teclado funcionou normalmente fora da caixa. Funcionaria também dentro dela se coubesse... Como não coube eu guardei o aparelho numa gaveta pra ver depois. E o tempo foi passando.

MP4 consertado
O MP4 com o novo flat

Para substituir o MP4 a dona resolveu comprar outro e, num estranho lampejo de bom senso, acabou comprando um IPOD Shuffle. O MP4 estaria fadado a um longo descanso dentro da gaveta não fosse a dona lembrar que ele existia e bolar uma modificação para o coitado. A idéia era aproveitar o aparelho colocando tudo dentro de algum outro “container” diferente para ser usado pelo filho da dona do MP4.

O acerto era de que eu cuidaria da parte eletrônica e a dona da parte artesanal da coisa. Tudo, claro, seria registrado para posterior inserção aqui no blog. Para a nova “caixa” do MP4 foram cogitadas varias opções, de brindes do Mcdonalds (pequenos demais) até a confecção de um boneco de pano pra isso. Cheguei a rabiscar uns projetos no papel mas como a dona é a preguiça em pessoa acabou não passando disso. Quase que eu acabei fazendo tudo incluindo cortar o pano e montar o bicho. Por sorte a dona possuía vários bichos de pelúcia que ela compra por R$1,00 o quilo nos brechós da vida e um deles acabou sendo escolhido para servir de hospedeiro para o MP4.

O urso de pelúcia hospedeiro do MP4
Seguindo a divisão de tarefas previamente estabelecida eu fiz a minha parte conforme a seqüência de fotos abaixo:

1. Separei os componentes para a operação. Toda a placa do teclado deveria ser retirada e substituída por teclas mais robustas. Escolhi o modelo de push-button das fotos que possui fixação por meio de rosca com porcas plásticas para facilitar o posicionamento no corpo do urso. Arranjei também um plug para fone de ouvidos com porca metálica.

MP4 e os novos componentes
2. Antes de retirar a placa do teclado eu tirei o esquema das teclas para não ficar perdido depois.

Esquema do teclado do MP4
3. Para ter acesso a parte interna do urso usei um estilete e abri as costas do bicho cortando a costura original para facilitar o fechamento depois.

Operando o urso
4. Com o bicho aberto e com o enchimento retirado virei o urso do avesso antes de começar a colocar os componentes e passar a nova fiação.

O urso de pelúcia do avesso
5. O motivo de usar chaves push-button com porcas pode ser visto agora. Com o estilete cortei pequenas aberturas nas mãos, pés e abaixo da cabeça do urso e passei as chaves, fixando com as porcas. Depois de tudo fixado eu soldei a fiação e protegi as soldas com cola quente.

Fiação interna do urso
6. Com a fiação do novo teclado concluída soldei os fios na placa do MP4 conforme o esquema que desenhei antes.

Placa do MP4 ligada a fiação do urso
7. Com pedaços de fio rígido ajeitei a fiação e fiz um teste ligando o aparelho para ver se estava tudo ok.

Teste do MP4 no urso
8. A saída para os fones ficou atrás da cabeça meio que escondida:

Saída do MP4 na cabeça do urso
Neste ponto acabou a minha contribuição. Agora era a vez da dona preguiça ajeitar tudo lá dentro, abrir uma saída para a tela, colocar o enchimento e fechar o bicho. Tá certo que ela fez isso, mas faltou documentar como combinado. Assim fiquei sem as fotos da última parte. Nem foto do bicho concluído era tirou. Acabou que eu tive que tirar as fotos finais e com o celular. A solução para a moldura da tela ficou estranha (ela fez as pressas), como vocês podem ver:

Moldura do MP4 no peito do urso
Pode acreditar que essa tela deu trabalho pra ficar na posição. Muita cola quente teve que ser usada pra isso dar certo. Embora tenha ficado estranho e muito feio, o boneco funciona como esperado. Curiosamente o bicho acabou fazendo sucesso e muita gente parou a dona preguiça na rua para perguntar onde foi comprado (quem só viu de longe) ou como foi feito (depois que a pessoa olha com mais atenção e vê o amadorismo da obra).

O Urso com Música na Barriga
Nota: Este post estava guardado já faz tempo. Para vocês terem uma idéia o amplificador de fones de ouvido que tirei de um CD-ROM postado aqui em 13 de julho do ano passado seria usado neste urso. Eu iria usar o amplificador ligado a um alto falante, mas isso implicaria em colocar alimentação extra com pilhas só pra ele. Assim achei melhor usar apenas as saídas originais do MP4 para fones mesmo.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...