terça-feira, 29 de outubro de 2013

Sobre o kit parafusadeira e furadeira CD121K50 da Black & Decker

32 comentários
Como estou montando as caixas de som para o meu PC (ver post anterior) senti a necessidade de uma furadeira para colocar alguns parafusos nas peças de MDF (usar apenas a cola não me pareceu seguro o bastante). Dei uma procurada na web e encontrei o kit CD121K50 da Black & Decker que parecia ser uma boa opção e podia ser encontrado em todas as lojas. Procurei por Reviews e/ou mais informações sobre o kit mas só encontrei páginas de vendas. Sendo assim, seguem os meus comentários sobre o kit.

Primeira coisa que falta em muitos anúncios das lojas é o que vem no kit. Além da furadeira/parafusadeira, vem o carregador que tem uma fonte separada:
CD121K50 Furadeira Parafusadeira Black Decker

A fonte é com transformador mesmo e tem saída marcada como 14 VDC, 200mA (modelo JDA-14 tipo 3). A base de carga não tem informação de modelo. A bateria é de NiCd (Níquel Cádmio) então já estou me preparando para quando ela sofrer de problemas de memória. Quando isso acontecer talvez eu troque por baterias de Lítio. As baterias vem com pouca carga, e o manual recomenda uma carga de 5 horas antes de usar. A carga normal é de 5 a 7 horas e caso seja esquecida carregando pode acabar com a bateria (sou mestre em fazer isso, já deixei pilhas recarregando por quase uma semana).

Outro detalhe que eu queria saber e não vi nos anúncios é como isso tudo vem, se tinha uma maleta ou não. Bom, ela veio assim:
CD121K50 Furadeira Parafusadeira Black Decker
A caixa branca embaixo da furadeira é onde vem a fonte e a base de carga. A maleta é a de acessórios. O saco plástico vem com o manual, que poderia ser mais completo. São só 5 páginas em cada língua (Inglês, Português e Espanhol) e apenas UMA figura explicativa. O manual cobre apenas a furadeira, não falando nada dos itens do kit de acessórios.

No corpo da furadeira vem a seguinte etiqueta:
CD121K50 Furadeira Parafusadeira Black Decker
Aí dá pra ver o modelo da furadeira (CD121K-BR), velocidade de 0 a 550 RPM e mandrial de 3/8" (10 mm). O botão abaixo desta etiqueta possui três posições: Desligada (no centro), giro horário ou anti-horário. A parafusadeira possui 16 posições de torque, que achei exagerado para uma ferramenta para uso em casa (hobby). Talvez duas ou três fossem mais do que suficiente. Para a furadeira só tem uma posição. O "gatilho" tem velocidade variavel, quanto mais pressionado maior a velocidade. Gostei muito desta função. A ferramenta pesa 1,4 kg.

Logo acima da bateria vem um bit genérico com ponta Philips de um lado e fenda do outro:
CD121K50 Furadeira Parafusadeira Black Decker

Até agora é este bit que estou usando mais. Do kit de acessórios usei mais as brocas. Falando em acessórios eles vem na maleta já citada:

CD121K50 Furadeira Parafusadeira Black Decker kit de acessórios
As brocas douradas são para metal (ainda não testei nenhuma) e as pretas são para madeira. Testei estas últimas ao montar as caixas de som (com a de 1/8"), furando MDF. As duas peças brancas de plástico são chamadas de "screw finder" e servem para guiar os parafusos ao aparafusar.

A parte de baixo dos acessórios vem com os bits para aparafusar e quatro brocas chatas (de 3/8, 1/2, 5/8 e 3/4):
CD121K50 Furadeira Parafusadeira Black Decker kit de acessórios
A caixa plástica não me parece muito boa. Com ela fechada, se você der uma sacudida os bits saem do lugar e ficam soltos na caixa (inclusive muitos vieram fora das posições). Os acessórios não parecem de qualidade muito boa, mas preciso testar para ver o quanto aguentam. Como eu disse, o bit que vem no corpo da parafusadeira já me atendeu muito bem.

Este é um review ainda incompleto, pois estou com o kit há apenas uma semana. O único teste pesado que fiz até agora foi colocar os suportes para uma rede (de pano, não de computador) na varanda aqui de casa. Foram 8 furos que fiz com a broca de 3/8 do kit de acessórios. Embora seja uma broca para madeira ela se comportou bem furando a parede de alvenaria (esquentou um pouco, mas nada grave - Como bem lembrado pelo Luciano nos comentários, não é recomendável fazer isso). Depois aparafusei os 8 parafusos usando o torque maior (ou menor, o depois da marca 8, que seria o 16... é complicado mesmo essa marcação). E a bateria ainda está na primeira carga. Acho que ela aguenta mais alguns furos e "aparafusamentos" que tenho que fazer nas caixas de som.

Para concluir, estava preocupado com o fato de ser um equipamento a bateria. Mas até o momento não tenho o que reclamar, ela ajudou a executar os trabalhos sem problemas. Inclusive o da rede, que eu achava que não ia aguentar. E sem precisar ficar ligando uma extensão por aí.

Atualização: Fiz um review da furadeira Makita HP1640K (agora não dá pra furar parede sem problemas)

Atualização 24/09/2016: Três anos depois e finalmente desmontei a furadeira/parafusadeira, com direito a vídeo:



Novas fotos

Por dentro da ferramenta:

Parafusadeira furadeira Black & Decker CD121K50 por dentro

O motor de 12V conectado a caixa de redução:
motor da Parafusadeira furadeira Black & Decker CD121K50

O controlador de velocidade, com um transistor MOSFET parafusado no dissipador:
controlador de velocidade do motor da Parafusadeira furadeira Black & Decker CD121K50

O carregador de bateria:
carregador de bateria da Parafusadeira furadeira Black & Decker CD121K50

A placa de circuito impresso do carregador de bateria:
Placa do carregador de bateria da Parafusadeira furadeira Black & Decker CD121K50

terça-feira, 8 de outubro de 2013

Tentando melhorar o som do PC

3 comentários
Acho que já faz uns dois anos que aposentei o velho micro system da Aiwa (NSX-F9) que eu usava como amplificador do PC. Era um tipico aparelho da Aiwa dos fins dos anos 90, daqueles com duplo deck e carrossel para 5 CDs, que depois de um tempo parava de funcionar os CDs e depois os decks, além do controle de volume ficar maluco e só funcionar pelo controle remoto. Bem típico dos Aiwa daquela época mesmo, mas como amplificador funcionava muito bem.

Pois então, o motivo da aposentadoria foi por causa da área ocupada na mesa pelo aparelho e suas caixa. Resolvi trocar por um desses sistemas 2.1 e acabei pegando um da C3 Tech modelo TCS3150 (que não me custou nada, pois foi trocado por pontos em um programa de fidelidade). A diferença foi brutal, as caixinas novas eram muito ruins, com um irritante barulho de 60 Hz (hhhhhhuuuummmmmm) e aquelas "pipocadas" ao ligar e desligar que fazem o cone do subwoofer pular. Mas como já tinha trocado (o Aiwa foi revendido a um preço simbólico para a pessoa - Séfora - que havia me vendido o aparelho em 1998) não tinha mais volta. Tive que ficar com aquela tranqueira até o inicio deste ano quando meu irmão me arranjou um par de caixinhas da HP (Pavilion Speaker System, não sei o modelo). Nada demais, só duas caixinhas com controle de volume e tonalidade alimentados pela USB (potência baixinha).

Não sou audiófilo, mas sinto falta de um sistema com uma qualidade de áudio um pouquinho melhor que as tipicas caixinhas de PC. O velho Aiwa me proporcionava isso, além de ter um equalizador (digital) que eu podia ajustar do jeito que eu achava melhor (sou maniaco por ajustes pessoais). E foi pensando nisso que resolvi montar um sisteminha de som novo para o meu PC. Mas montar tudo mesmo: amplificador, fonte e caixas de som. E como eu sou bobo e gosto de inventar moda resolvi fazer um sistema pra todos os audiófilos botarem defeito (tá, isso é fácil demais eu sei).

(1) O amplificador seria um CI TDA qualquer com potência de até uns 10W (é som pra PC, pra eu ouvir música sózinho e não com os vizinhos e o pessoal do quarteirão). Mas acabei encontrando uma revista "Eletrônica Popular" de 1956 com um projetinho de um amplificador de 5W valvulado. Como nunca montei um amp valvulado achei uma boa idéia começar com esse projeto. Caso não tenha sucesso eu volto com a idéia do "TDA da vida". Como ele não usa uma válvula de saída muito conhecida (e inflacionada) consegui comprar uma caixa fechada com 5 peças:

Valvulas de saída de áudio

Ainda não montei nada do amplificador, estou apenas na fase de "ajuntamento" de peças.

(2) Para a fonte a idéia do básico "transformador+diodos+capacitormaiorpossível" não me agradou muito (lembre-se que é preciso "inventar moda"). Fica como plano B, o negócio é fonte chaveada mesmo. Para um amplificador com CI é só comprar uma fonte padrão chinesa e tá pronto. Para valvula a coisa complica um pouco. E como faz muito tempo que eu não trabalho um projeto de fonte destas seria bom relembrar os bons tempos. A fonte está "quase" pronta, faltando alguns testes para estabilizar a saída de alta tensão:
Fonte amplificador valvulado

(3) E as caixas? Bom, as caixinhas de plástico de PC tem um desempenhos sofrivel. Uma caixa de madeira por pior que seja sempre terá um "som" melhor. Então lá fui eu pesquisar e acabei chegando nas pequenas Makizou M-8BH. "Parece fácil de montar" eu pensei na época, só espero que sejam realmente boas. Hoje o meu pensamento já mudou para "devia ter montado uma Bass Reflex". Estou montando há quase dois meses. As placas de MDF das caixas:
Caixa Makizou M-8BH

Como isso tudo está dando um certo trabalho eu dei um tempo com os vídeos e posts aqui no blog. A idéia era escrever sobre isso apenas quando tudo estivesse pronto. Mas como estou tirando fotos durante todo o "processo criativo" achei melhor comentar agora e, quem sabe, fazer alguns posts sobre cada uma das montagens enquanto elas vão acontecendo. Vamos ver se a idéia vai pra frente (não deu muito certo com o pedal de efeitos).

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

TV/FM Level Meter Promax MC-160B

2 comentários
Opa, mais um video log. Desta vez falo um pouco sobre um medidor de nível de RF que encontrei num ferro-velho.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...