domingo, 18 de abril de 2010

Que aparelho é este?

10 comentários
OBS: O post já estava pronto e enquanto estava postando resolvi dar uma olhada no aparelho e descobri um detalhe que deixei passar. Acrescentei essa descoberta como um update no texto, lá no fim. Publico o texto original como um registro da minha falta de atenção.

Comprei uma caixa de displays velhos (preciso parar de juntar coisas velhas, eu sei) e veio o seguinte aparelho:
Kodak Ektapro 1000TR Controller

A parte de baixo é assim:

Kodak Ektapro 1000TR Controller

Como se vê nas fotos não há indicação do modelo ou algo que leve a uma identificação precisa do que seja o aparelho. A principio parece um tipo de controle para um gravador, por causa das teclas “Record”, “Pause” e “Play”. Na lateral superior direita há um conector RJ11 que é a única aparente conexão externa disponível.

Neste ponto minha única certeza era de que era um dispositivo fabricado pela Kodak e a desconfiança de que teria relação com algum gravador. Se era de vídeo, áudio ou outro tipo de gravador ainda não sabia e seria necessário olhar dentro do brinquedinho.

Quatro parafusos de fenda fecham a caixa e, ao serem retirados, me deparei com a placa principal do dispositivo:

Kodak Ektapro 1000TR Controller
O projeto mecânico é muito bom indicando algo de aplicação profissional. A placa é presa por quatro furos que passam pelos quatro espaçadores para os parafusos que fecham a caixa. Fora os espaçadores a placa fica presa ao display por um conector de encaixe de 10 pinos. Desconectando a placa vemos o display, que também é preso pelos espaçadores, e a placa do teclado frontal. Desatarraxando os espaçadores o display pode ser retirado totalmente da placa.

Kodak Ektapro 1000TR Controller

Olhando mais de perto vi que o display é um Hitachi LM200 (gráfico, 64 x 240 pixels) e usa controladores HD44104. Pesquisando no São Google o melhor que encontrei foi a pinagem do display num site em Alemão. Se ele estivesse funcionando já justificaria a compra da caixa de velharias.

Deixando o display de lado, a placa controladora do aparelho me pareceu de projeto bem comum: um microcontrolador (6809 da AMI), uma EPROM de 16kB (27128), memória RAM (D4364, 8kB) e CI’s 74HC para expansões de portais. A única coisa um pouco diferente é a presença de um controlador HD61830A00 com sua memória RAM para o display gráfico.

Kodak Ektapro 1000TR Controller

Procurando por mais informações sobre a função ou modelo do aparelho encontrei apenas as identificações: “PWB User Interface” escrito na placa do teclado e “Assy. Keypad 05900005-001 Rev X3” na placa principal. Uma busca por estes termos não rendeu muita coisa e continuei sem saber que aparelho era aquele.

Sem muitas opções resolvi apelar para uma técnica de engenharia reversa que já me ajudou em outras ocasiões: Ler a EPROM e catar alguma string no arquivo que poderia ser útil. Futucando o binário encontrei apenas algumas strings, provavelmente de menus do display:

Kodak Ektapro 1000TR Controller

Não foi nada muito útil, mas as strings “PAL” e “NTSC” me levaram a crer que seria mesmo o controlador de um gravador de vídeo. Minha ultima chance seria ligar o aparelho numa fonte externa e ver se havia alguma coisa pra descobrir com o display funcionando. Após algumas medidas de continuidade, uma retirada do transistor regulador de tensão (que pensei ser um regulador integrado) e uns fios gambiarrados na placa consegui ligar o aparelho. O resultado desanimador foi este:

Kodak Ektapro 1000TR Controller

O aparelho "funcionou" e ficou apitando e indicando a mensagem "ERROR 04". Qualquer tecla que fosse pressionada não acontece nada.
Pois é, esta deve ser a primeira vez que eu não consegui identificar um aparelho com exatidão. Tenho algumas boas pistas do que seja, mas não cheguei ao modelo que facilitaria muito a busca de mais informações. Como último recurso coloquei aqui pra ver se alguém sabe do que se trata e comenta ai embaixo. Agradeço antecipadamente qualquer informação útil.

UPDATE: Pois é, deixei passar a inscrição "Kodak Spin Physics" na placa principal. Usando estes termos na busca do google o terceiro link me levou a uma página com mais detalhes do sistema Kodak Ektapro 1000TR. Trata-se então de um gravador de video de alta velocidade. Curiosamente o cara da página comprou um sistema destes sem o controlador. Ele deu um jeito de controlar o gravador construindo um novo controlador externo! Vale a pena uma olhada no site.

domingo, 11 de abril de 2010

Testando a refrigeração do gabinete R460 da 3R System

2 comentários
Pois é, meu PC novo que estava montado em cima da mesa agora está em seu local definitivo. O motivo de montar daquele jeito foi para aproveitar o fim de semana (que é quando tenho mais tempo livre) pra instalar e testar tudo com calma. Esse PC foi comprado em quatro lojas diferentes: Gabinete, Monitor, acessórios e a parte de dentro. O Gabinete foi a primeira coisa que comprei e o primeiro que foi enviado. Só que foi o último a chegar! Daí deu naquilo...

A principio não havia muita necessidade de trocar o PC, o antigo dava pra trabalhar tranqüilo ainda (Pentium 4 – 3GHz). O problema era com os jogos. Tá certo que eu não jogo tanto quanto antigamente, mas estava ficando chato reduzir a qualidade dos gráficos para tentar jogar uns jogos mais recentes (de 3-4 anos atrás). Joguei todo o Command & Conquer 3 esguelando minha FX5200, mesmo com a qualidade dos gráficos colocada no nível “Sofrível”. Mesmo assim eu esperava trocar de máquina apenas quando a Blizzard lançasse “Diablo 3”. Como a Blizzard é a Blizzard o jogo só será lançado quando estiver pronto e nesse tempo eu ainda não havia jogado “Red Alert 3” e a EA já ia lançar “Command & Conquer 4”. Jogo C&C desde o demo da primeira edição (1996-97) e não queria quebrar a tradição.

Decidido então pela troca (isso foi no fim do ano passado) passei a escolha da configuração. Isso levou um tempo considerável enquanto eu lia fóruns e checava os preços nas lojas online. Minha maior desconfiança era quanto ao aquecimento da máquina. O Pentiun IV aquecia consideravelmente já que dentro do gabinete só tinha a ventoinha do processador, nem a placa de vídeo tinha um cooler. Em dias muito quentes chegava a travar tudo. Com o PC novo eu não queria correr esse risco e como esta seria uma máquina com uma performance um pouco superior o aquecimento poderia ser um problema. Escolhi o gabinete com a maior quantidade de fans que encontrei. Curiosamente, um dia após ter comprado o gabinete o Clube do Hardware fez um review do gabinete dando seu selo de aprovação. Fiquei um pouco mais aliviado mas ainda curioso em saber se a coisa não ia ficar quente.

Gabinete R460 da 3R System

Então (pra não esticar muito a conversa, já que escrevi três parágrafos e ainda não entrei no assunto do post) depois de terminar de montar fiz algumas medidas de temperatura dentro do gabinete. Pensei em usar um software para monitorar as temperaturas mas acabei usando um alicate amperométrico (Toyo TY9900T) com medidor de temperatura. O termopar foi colocado em contato com os dissipadores da placa de vídeo e do processador. Era pra ter feito medidas no HD e na fonte, mas o HD fica com uma ventoinha “na cara” o tempo todo e, no teste do dedão, a temperatura dos dois não ficou tão alta.

Gabinete R460 da 3R System

A configuração do PC é esta:
Processador: Intel Core i5 750 (2.66GHz);
Motherboard: Asus P7P55D Pro;
Placa de Vídeo: XFX GTS250 (1GB de RAM);
Memória: 2x2GB Corsair DDR3 1333MHz;
Fonte: Corsair CMPSU-550VX 550W (exagerado, mas consegui um bom preço e é melhor sobrar do que faltar);

A máquina está configurada para resolução de 1920 x 1080 com Windows 7 Pro 64 bits. As temperaturas foram medidas com o computador sem uso (Idle) por um tempo e depois rodando o jogo “Need for Speed Undercover” (foi a coisa mais pesada que eu consegui) com tudo no máximo, AA em 6x e em Full-HD.

Pra quem não conhece o R460, clique aqui e veja os detalhes no site da 3R System. É um gabinete comum com um exaustor com duas fans em cima. Existe ainda uma ventoinha na parte de baixo perto das baias para HD’s e uma pequena no fundo em cima. Essa última eu não liguei por achar que não faz diferença. A fonte é montada no “chão” do gabinete numa solução de refrigeração diferente do que estamos acostumados. Vejam as fotos no site oficial para entender melhor.

O PC está com os coolers de fábrica no processador (Box) e na placa de vídeo com suas velocidades controladas pelos drivers das placas. O gabinete possui uma chave de três posições para controle dos exaustores na parte de cima. Com ela podemos colocar as ventoinhas em velocidade máxima (High), baixa (Low – jogando alimentação direta do 5V) e desligadas. Fiz os testes com as três velocidades. Os resultados foram os seguintes:

Temperatura ambiente: 28ºC;

---> Placa de vídeo: <---
Com os exaustores desligados:
PC Parado (Idle): 50ºC
Rodando NFS Undercover: 60ºC

Com os exaustores em baixa velocidade (Low):
PC parado (Idle): 47ºC
Rodando NFS Undercover: 52ºC

Com os exaustores em velocidade máxima (High):
PC parado (Idle): 44ºC
Rodando NFS Undercover: 49ºC

---> Processador: <---
Com os exaustores desligados:
PC Parado (Idle): 55ºC
Rodando NFS Undercover: 75ºC (parei os testes antes que subisse mais)

Com os exaustores em baixa velocidade (Low):
PC parado (Idle): 43ºC
Rodando NFS Undercover: 50ºC

Com os exaustores em velocidade máxima (High):
PC parado (Idle): 41ºC
Rodando NFS Undercover: 49ºC

Não houve muitas surpresas nestes testes. A única coisa que me preocupou foi a temperatura do processador com as fans desligadas. Parei o teste quando o dissipador passou de 75ºC (temperatura alta para um dissipador), ligando os exaustores em velocidade baixa (Low). A temperatura baixou rapidamente, caindo 25ºC em menos de um minuto. Curioso que a diferença de temperatura com as ventoinhas em alta ou baixa velocidade pode ser desconsiderada para o processador. Depois disso só uso o PC com a chave do gabinete em Low (menor ruído e quase o mesmo efeito). A placa de vídeo, que era minha maior preocupação, se comportou muito bem. A temperatura não ficou tão alta como imaginava.

Bom, os resultados dos testes estão aí e espero que sejam úteis para quem tem ou está pensando em adquirir este modelo de gabinete.

domingo, 4 de abril de 2010

Por dentro de um chaveador de portas paralelas

4 comentários
Comprei esse chaveador de paralelas no ferro-velho pra usar a caixa num amplificador de áudio que pretendo montar. Aproveitei pra tirar umas fotos internas pra postar aqui, enquanto inspecionava a caixa pra ver se caberia um amplizinho. No século passado esses aparelhos eram comuns mas acabaram desaparecendo com o surgimento do padrão USB.

Chaveador de portas paralelas

Por volta de 1998/99 eu fazia uma ponte ligando a paralela do PC no Zip Drive que ligava no scanner que finalmente ligava na impressora (uma citzen Printiva 700, com cartuchos de sublimação de cera impossíveis de encontrar, outra tecnologia que não vingou). Quando precisava ligar uma interface paralela cheia de CI’s TTL’s ou o gravador de 8051 tinha que tirar todo mundo da porta, já que não funcionavam com os outros aparelhos ligados. Um chaveador destes seria uma ajuda extra naqueles tempos.

Chaveador de portas paralelas

Eu pensava que o circuito interno seria de uma complexidade digna do que cobravam pelo aparelho. Ainda mais neste de quatro portas. Finalmente ao abrir o chaveador para ver o que tem dentro descobri que não poderia ser mais simples: Uma chave e fios, muitos fios. Fiquei até com pena do montador do chaveador soldando fio o dia todo.

Chaveador de portas paralelas

Depois de aberto também descobri o provável motivo do chaveador ter sido mandado pro ferro-velho. Como pode ser visto na foto abaixo uma das pastilhas da chave seletora quebrou, inutilizando uma das portas.
Chaveador de portas paralelas
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...