sábado, 16 de maio de 2009

Lançada nova revista de Eletrônica: Piclist

0 comentários
Foi lançada esta semana a revista do grupo Piclistbr. Esta primeira edição apresenta três montagens práticas (um medidor de ESR, uma sonda lógica e uma lâmpada de LED’s), além de noticias, artigos técnicos e tabelas úteis. O nível da publicação é excelente e vale a pena dar uma conferida.

Com 21 páginas a revista tem distribuição gratuita em PDF e pode ser baixada nos seguintes links:

Link 1 Link 2

E para conhecer o grupo Piclistbr clique aqui.

domingo, 10 de maio de 2009

Madbox – 23 anos depois...

10 comentários
Após 23 anos resolvi finalmente montar a Madbox publicada na revista “Bê-á-bá da eletrônica” número 18 de 1984. Embora a revista seja de 1984 eu só fui ler esta edição (a primeira revista de eletrônica que eu li) em 1986.

MadboxNesta edição a “aula” era sobre 555 e a maior montagem de todas era a da Madbox, uma caixa de efeitos sonoros. Na época eu fiquei curioso em saber que sons ela poderia produzir. Foi daí que montei meu primeiro projetinho, o pisca-pisca do artigo sobre como fazer placas de circuito impresso. Para um garoto de 10 anos aquilo era um desafio e tanto. Tive que economizar pra comprar aquele 555 e deu muito trabalho fazer a placa, furar, montar e testar aquele pisca-pisca. A Madbox então seria algo impensável, uma montagem com dois CI’s não era algo pra minha habilidade...

Sempre que eu pegava essa revista relia a bendita matéria da Madbox. Com o tempo ela já não assustava mais. Na verdade cheguei a conclusão que não valia a pena montar algo tão simples e inútil.
Madbox montadaOntem enquanto fuçava nas velharias vi que meu velho “pront-o-labor” estava há muito tempo guardado e merecia um tratamento melhor. Estou me acostumando demais a apenas programar e fazer simulações. Então lá fui eu montar a Madbox. Modifiquei um pouco os valores dos componentes pra acomodar os valores de potenciômetros disponíveis aqui. Também retirei a etapa de saída com TIP31 do circuito original, pois me pareceu exagerada. Minha versão do circuito ficou assim:
Esquema da MadboxMontei tudo em menos de meia hora e funcionou de primeira. Realmente o professor Bêda Marques sabia das coisas. Um circuito simples e divertido embora ninguém consiga ficar com ele ligado por muito tempo. Muito bom pra irritar as pessoas, recomendo.

Madbox montadaEmbora o circuito seja bem simples o Proteus não consegue rodar a simulação de forma eficiente. Em meu computador ele levou a CPU a 100% de processamento (Pentium IV 3GHz) e mesmo assim não reproduziu o som de forma correta. Para os curiosos segue um vídeo de 1 minuto de barulho:

The X-Philes 1995 – A Era do CD-ROM

1 comentários
Mais uma vez retirando lá do fundo das velharias veio este CD-ROM chamado “The X-Philes” de 1995, produzido pela Synchron Data (Suécia). Comprei lá por volta de 1997 e conhecia o titulo desde quando um colega me passou o índice dele (Philes.lst) junto com vários arquivos para calculadoras HP-48. Este índice já é um mistério com seus 1.1MB. Até hoje não sei como e quanto tempo levou pra baixar isso de alguma BBS.
The X-Philes CD-ROM

Ironicamente em 1997 eu já acessava a internet e talvez todos aqueles arquivos já estavam disponíveis em algum canto da web. O grande problema era baixar tudo usando o modem de 14,4k e com medo da conta de telefone. CD-ROM’s ainda eram a melhor forma de passar arquivos grandes e/ou muitos arquivos de uma vez. Compensava muito mais comprar os CD’s, mesmo com os preços altíssimos (gravador de CD era lenda).

Lembro que o Juliano tinha muitos CD’s desses comprados nas Fenasofts da vida. Ele até me emprestou alguns como o “Cica Shareware for Windows” (duplo). Dava pra testar muita coisa sem precisar ficar perdendo tempo (e pulsos) baixando só pra ver que não era aquilo que você precisava. Bons tempos...

The X-Philes CD-ROM

E para relembrar os bons tempos alguma boa alma criou o CD.Textfiles com os grandes sucessos da época completos. O “X-Philes” está lá mas com o nome “Blackphiles” (eles tiveram problemas com uma série de TV de nome parecido, hehe). Vale a pena dar uma fuçada e reencontrar aqueles velhos textos de BBS e os GIF’s de 256 cores. Pena que não tenha uma versão nacional com os CD’s da Big Max, Neo interativa, etc...

domingo, 3 de maio de 2009

TGIMBOEJ Brazil 2009

11 comentários
Pois é, já que ninguém fez, faço eu... Hoje enquanto organizava a bagunça por aqui lembrei da TGIMBOEJ ou “The Great Migratory Box of Electronics Junk” (algo como “A grande caixa migratória de sucata eletrônica”). Pra ficar mais prático vou chamar apenas de TGIMBOEJ daqui pra frente.

Durante a arrumação acabei montando uma caixa para começar uma “rede de compartilhamento de sucata” aqui no nosso Brasil. Já tenho alguns destinatários em vista e ela deve seguir viagem ainda esta semana. As regras para receber a caixa (haverá uma cópia dentro da caixa) estão no fim do post, junto com uma mini-FAQ traduzida e adaptada da Wiki oficial.
BrazilBasicamente é uma caixa de sucata itinerante onde quem recebe retira o que quiser e adiciona o que quiser e passa adiante. Depois que eu enviar a minha vou passar a atualizar lá na wiki oficial e aqui no blog o caminho que ela for percorrendo.

Quanto ao conteúdo inicial procurei variar o máximo que pude, com CI’s, relés, placas, componentes discretos e outras “curiosidades” que os destinatários poderão comentar melhor depois. Não pude encher muito, pois tinha que deixar espaço para as próximas adições. Eu ia comprar uma caixa padrão dos correios mas achei mais “ecologicamente correto” reaproveitar uma caixa do Submarino que de outra forma iria para o lixo.

BrazilAgora, as regras, FAQ e observações que comentei aí em cima:

Condições para receber a TGIMBOEJ:

1. Retire e adicione o quanto de lixo eletrônico quiser (mas mantenha leve, para um frete econômico). Mas nada de itens perigosos que possam causar problemas. Ou seja: nada de chaves de mercúrio, líquidos, itens muito frágeis, baterias, imãs muito fortes, etc...

2. Escreva, fotografe, documente... Ou seja: publique de alguma forma na internet suas impressões, o que tirou, o que colocou, etc... Pode ser em site, blog, Flickr, Picasa, Youtube, forum... Orkut eu não sei, pois precisa logar.

3. Há um bloquinho dentro da caixa. Adicione uma marca no seu nome para mostrar que ela já passou por você. Proponha um novo destinatário adicionando o nome e o e-mail/website no bloquinho.

4. Envie a caixa para uma das pessoas que estão no bloquinho (não precisa seguir a ordem) o mais rápido possível. Mas antes de enviar tenha certeza que a pessoa concorda com as condições e quer participar.

Lembre-se que isso NÃO É UMA CORRENTE! Não envie para o “próximo da lista” e nem indique alguém que não tenha interesse em divulgar e/ou compartilhar conhecimentos em eletrônica. O destinatário deve ser alguém para o qual valha a pena enviar a caixa.

TGIMBOEJ Brazil --- FAQ ---

Parece legal, como posso participar?

Quando receber um e-mail de alguém perguntando se quer participar, diga SIM e envie a ele o seu endereço físico. Isso, claro, se você se encaixa nos requisitos das regras de destinatários. Para isso tenha uma presença online, escreva sobre seus projetos, gambiarras e brincadeiras com eletrônica. Se fizer isso mais cedo ou mais tarde alguém irá entrar em contato.

De outra forma você pode deixar o seu nome e website na área de comentários deste post ou pelo e-mail de contato ou ainda na Wiki oficial.

Se receber a caixa, pra quem você pode enviar?

O destinatário deve ser alguém que você suspeite que tenha uma massa critica (ou ao menos interesse suficiente) em lixo eletrônico, tenha uma efetiva presença online e seja confiável o bastante para você acreditar que ele ira passar a caixa adiante. Naturalmente pessoas que tenham páginas de divulgação de seus projetos eletrônicos são as mais indicadas. Use o bom senso e escolha um bom destinatário.

Por que você iria querer receber uma caixa de sucatas pelo correio?

É importante manter uma caixa de sucatas para futuros projetos. Talvez um componente da caixa – ou a caixa inteira – possa lhe inspirar em seu novo projeto. Ou ela pode conter aquele componente que você procura há séculos. Ou ainda apenas pela diversão de entrar em nosso movimento de compartilhamento de sucata.

Não se apegue a detalhes…

Posso dizer “não” se alguém me oferecer a caixa? Claro que sim. Posso enviar para alguém cujo nome eu incluí na lista? Sim. Posso enviar para alguém que já tenha uma marca em seu nome? Sim. Se a caixa ficar cheia demais posso dividi-la e enviar para duas direções diferentes? Sim (mas não se esqueça de adicionar um novo bloquinho com nomes na nova caixa).

sábado, 2 de maio de 2009

A placa MSX que encontrei dentro de uma máquina de fliperama...

11 comentários
Arcade Faz umas semanas fui até um ferro-velho aqui da cidade e acabei encontrando a máquina de fliperama aí do lado. Usando as táticas de como se comprar em ferro-velho e outros locais que vendem produtos usados acabei levando a placa da máquina pra casa. O motivo de levar somente a placa principal não seria o preço (com um pouco de conversa acho que não sairia tão caro) mas sim a falta de espaço: Não tenho onde colocar uma máquina destas.

Pois então... A aventura da descoberta, retirada e compra da placa eu descrevi lá no blog da Séfora. Aqui vou contar apenas os detalhes técnicos. Externamente a máquina não possuía nenhuma indicação escrita. Procurei por alguma placa de identificação mas não achei nenhuma. A porta do ficheiro e a parte de trás estavam abertas o que facilitou o acesso às placas. Como a caixa de madeira de uma máquina de fliperama (eu sempre chamei assim, sei que é errado, mas não gosto do nome “arcade”) é bem grande e com muito espaço vazio o dono do ferro-velho aproveitou pra encher a parte de baixo com outras coisas. Cheguei a identificar o chassi de um equipamento valvulado lá dentro (sem as válvulas).
Fliperama por dentro
A foto acima mostra a disposição das placas na máquina. O pó cobria tudo não dando pra identificar os componentes. Pela montagem sem componentes SMD já pude datar a máquina como tendo mais de 15 anos. Todas as placas eram fixadas à base de madeira sem espaçadores num arranjo bem precário. São quatro placas: a da fonte e amplificador de áudio, a do monitor, uma placa pequena com dois ou três CI’s para interface com o ficheiro e a motherboard. Retirei os quatro parafusos da placa mãe e cortei os fios (que estavam muito velhos e quebradiços). Como já falei lá no outro post não podia perder muito tempo então juntei a placa e um saco de resistores velhos (ainda não sei por que comprei isso), paguei, coloquei tudo na mochila e fui embora.
Retirando a placaEm casa com calma pude olhar melhor a placa. Abaixo vocês podem ver ela ainda coberta pela sujeira:
A placa sujaFoi preciso apenas um pincel para retirar a poeira e a placa ficou bem mais apresentável. Agora já dava pra ver os componentes. Foi preciso apenas olhar os chips de 40 pinos para entender que a placa não passa de um MSX. Lá estão o Z80, o 6255, o AY-3-8910 e o VDP TMS9128. A disposição dos componentes é muito parecida com a do Expert 1, acho que falta apenas o 74LS374 da saída de impressora.

Lado dos componentes da placaUma placa menor com uma memória 27256 veio conectada a placa principal por meio do conector no canto superior esquerdo da foto acima. A etiqueta da memória vem marcada: “KMARE” e datada de 03/09/89. Esta placa possui espaço pra mais uma memória o que indica que outras máquinas podem ter sido fabricadas com outros jogos de até 64k. O Jogo dessa aqui é o Knightmare, conhecido por aqui como “Pesadelo”.
Cartucho do arcadeContinuando com a placa maior, pela sua construção sem mascara de solda já desconfiei que ela era montada a mão. Na parte de baixo vemos seis fios de conexões que faltaram no projeto original. Também há algumas “gambiarras” na parte de componentes, como os dois eletrolíticos encavalados e os capacitores em cima do VDP. A BIOS está marcada como “ITS ROM” e datada de 16/09/90. Já a PCB vem marcada apenas como ITS e a data 04/88 na legenda de componentes. Procurei por mais informações na internet mas nem sinal de um fabricante com este nome.
Lado da Solda da placaJá tinha ouvido falar de máquinas de fliperama que eram MSX. O Alexandre (Tabajara-labs) tinha falado delas e até encontrou uma da Forte Games. Minha experiência com MSX é muito pouca, apenas brinquei com os Experts na escola no primeiro grau e só fiquei na parte de desenhar com a tartaruga. Até pensei em tentar ligar a placa e ver se está ok, mas vou deixar pra alguém que entenda melhor. Em breve trarei mais noticias sobre ela.

O que fiz além de limpar a placa foi ler o conteúdo da BIOS e do jogo. Caso alguém precisar posso enviar os arquivos em .BIN. É só avisar aí nos comentários ou no contato aí do lado.

Uma semana depois eu voltei ao ferro-velho e acabei encontrando a máquina no seguinte estado:
Fim do ArcadeUma pena que ela tenha acabado assim, mas pelo menos eu consegui salvar o principal.

Bom, pra terminar uma fotinha do saco de resistores. Preciso parar de comprar coisas velhas... Resistores Velhos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...